segunda-feira, 31 de maio de 2010

Conclusão

De acordo com os resultados de nossa experiência, adquirimos um amplo conhecimento bem maior do que imaginávamos. Quando iniciamos o projeto, tínhamos um pré-conceito montado em nossa mente, porém a realidade foi outra. Estudando essa ave, conhecemos todo seu interior e vimos quão grande é sua diferença interior e exterior. Visualizamos com detalhes seus órgãos, sistema digestivo, e todos os outros detalhes possíveis como: o olho e seu cristalino, como fica o pulmão de uma galinha após sua morte e até mesmo as fases dos ovos antes de serem ‘’botados’’. A partir disso, notamos que existem muitas diferenças entre os tipos de ovos existentes, principalmente quando essa comparação é feita entre os ovos dos mamíferos e das aves.

As aves, como a nossa galinha estudada, possuem um tipo de ovo chamado de telolécitos e os mamíferos, possuem um tipo de oligolécitos. A principal diferença existente entre ambos é a quantidade e distribuição de vitelo que há em seu citoplasma, assim respectivamente ovos telolécitos possuem uma quantidade de vitelo maior do que todos os outros tipos e os oligolécitos possuem pouco vitelo e que são distribuídos de forma homogênea.

Assim, percebemos que, a galinha, mesmo sendo um animal aparentemente tão pequeno e tão simples, possui uma complexidade estrutural e características que nem imaginávamos que existiam. Os ovos, por exemplo, se formam através de um processo lento, onde tudo começa pela gema, que é um grande óvulo da galinha. A gema é liberada do ovário e depois passa por vários órgãos internos da galinha até chegar ao útero, local onde acontece a formação do ovo e termina com a solidificação da casca. O tempo total para que ele fique pronto é de aproximadamente 24 horas. Cerca de 30 minutos após botar o ovo, a galinha já ovula novamente uma nova gema que dará origem ao processo mais uma vez. Em um ano, uma galinha põe cerca de 265 ovos. E uma curiosidade descoberta é que os espermatozóides do galo são bastante resistentes e sobrevivem até 15 dias dentro da galinha. Nesse período, ela está fértil e os ovos poderão sempre originar pintinhos.

Como resultado final de toda nossa experiência, conseguimos ainda perceber o que há em comum entre uma ave um ser humano. Como se não bastasse tudo isso, ainda descobrimos que não só as aves que colocam ovos, como os mamíferos também, como o ornitorrincos e os équidna-ouriços.

Apesar de muitas alunas terem no começo “rejeitado” participar da necropsia, e o cheiro ter incomodado a todos, o resultado para o grupo todo foi bastante proveitoso, e a experiência não só foi bem aceita, como seria do agrado da maioria a repetição de novos estudos fisiológicos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário